Linha Reta

Mente ansiosa. Pensando em tudo o que estará prestes a fazer. Ainda meio tonta, tenta finalmente acordar de vez. Passa por todo um ritual. Pensa que todos a veem, serva do pensamento alheio. Passa pela rua como se tivesse prestes a desaparecer a qualquer momento. Eis que encontra o salvador de sua pátria em fragalhos. Carrega pesos de uma longa viagem e ela ainda se dá ao luxo de o salvador dar conta de tudo. Ele vai embora. Vai como se nem tivesse um dia aparecido.  Seu universo entra em colapso e tudo que lhe resta é dormir profundamente, mas ela acorda. O barulho das pessoas em volta a inquieta a continuar agonizando em vida. Sai e ninguém a vê, ninguém nunca a viu e pensar assim já é suficiente agora, quer ficar invisível um pouco. Vê uma tralha jogada na rua com braços e pernas e lembra que quer salvar o mundo mas se o fizer será a última a pular do barco e pode ser tarde demais para pular... Alguém a avista no alto de seu exagerado drama sentimental e consegue ver beleza... Nos olhos caídos, nos braços presos, no rosto virado, viu beleza... Porém, invisível para si mesma, nem ao menos percebe que o mundo gira. E continua sua trilha como um jato.

1 comentários:

Renata Barbosa 30 de julho de 2010 23:13  

Guilherme Augusto

"Brilhante.
Você consegue me prender pelos detalhes mesmo quando tudo passa rapidamente pela sua vida."